Algumas funcionalidades deste website encontram-se desabilitadas devido ao seu navegador não suportar JavaScript.

Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

 

Nota à navegação com tecnologias de apoio: nesta página encontra 2 elementos principais: Menu Principal (tecla de atalho 1); e o conteudo que se encontra logo debaixo do menu principal (tecla de atalho 2).


O que são

O que são?

Os Bancos Locais de Voluntariado (BLV) são um espaço de encontro entre as pessoas que expressam a sua disponibilidade e vontade para serem voluntárias e as organizações promotoras, interessadas em integrar voluntários nos seus projetos e coordenar o exercício da sua actividade.

Objetivos
• Acolher candidaturas de pessoas interessadas em fazer Voluntariado, bem como receber solicitações de voluntários por parte de organizações promotoras;
• Proceder ao encaminhamento de voluntários para organizações promotoras de Voluntariado;
• Acompanhar a inserção dos voluntários nas organizações para onde foram encaminhados;
• Disponibilizar ao público informações sobre Voluntariado;
• Organizar ações de formação inicial para os voluntários.


Intervenientes

Voluntários, pessoas que de forma livre, desinteressada e responsavelmente se comprometem, de acordo com as suas aptidões próprias e no seu tempo livre, a realizar ações de Voluntariado, no âmbito de uma organização promotora.

Organizações Promotoras, pessoas coletivas de direito público ou privado, socialmente reconhecidas, que reúnam condições para integrar voluntários e coordenar o exercício da sua atividade, em domínios como o cívico, o da acção social, o da saúde, o da educação, o da ciência e o da cultura, o da defesa do património, o do ambiente, entre outros.
Estas entidades podem encontrar nos Bancos Locais de Voluntariado o espaço ideal para divulgar os seus programas, bem como identificar interessados na adesão às suas ações.

Processo de constituição

As entidades que pretendam constituir um BLV (entidades enquadradoras) devem ser:

- Pessoas colectivas de direito público (âmbito central, regional ou local) ou de direito privado.

Ex: Câmaras Municipais, Fundações, Santas Casas da Misericórdia, IPSS, entre outros.

Estas entidades devem reunir meios próprios, técnicos, financeiros e logísticos, que permitam assegurar o funcionamento duma estrutura deste tipo.

Comunicação ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV)

Para constituir um BLV, é necessário que a entidade enquadradora solicite a sua implementação ao CNPV que fará o acompanhamento técnico global do processo de constituição, em virtude de o Conselho, nos termos da legislação em vigor, ser a entidade que tem competência para desenvolver as ações indispensáveis à promoção, coordenação e qualificação do Voluntariado.

O CNPV faculta apoio técnico específico à entidade enquadradora do BLV, nomeadamente a documentação necessária e os procedimentos adequados, tendo em vista a sua integração na base de dados nacional. Não serão válidos documentos obtidos por outra via.

Ao iniciar-se a sua atividade deverá ser assinado, entre a Entidade Enquadradora e o CNPV, um Protocolo de colaboração que reveste a forma de compromisso para o desenvolvimento e melhor organização do Voluntariado, não lhe retirando, contudo, a marca da especificidade de uma atividade livremente assumida.


Para mais informações contatar:
Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado
Av. Marquês de Tomar, 21 – 7 º andar
1053-153 Lisboa
Telefone: 21 792 62 17/18/20/25
E-mail:CNPV@seg-social.pt
Site: http://www.voluntariado.pt


Assinatura de Protocolos para a constituição e funcionamento de Bancos Locais de Voluntariado em 2013

Foram assinados protocolos de colaboração entre o CNPV e as respetivas entidades enquadradoras dos BLV(s) com vista à criação e ao funcionamento dos Bancos Locais de Voluntariado de Viana do Alentejo (4 de maio), da Vidigueira (2 de junho), de Alcanena (26 de junho), de Guimarães (4 de julho), de Vila Pouca de Aguiar, Miranda do Douro e Mirandela (5 de julho), de Vizela (9 de julho) e de Armamar (27 de agosto).

Os referidos protocolos revestem a forma de compromisso assumido pelo CNPV e pelas Autarquias, para o desenvolvimento e melhor organização do Voluntariado a nível concelhio.