Algumas funcionalidades deste website encontram-se desabilitadas devido ao seu navegador não suportar JavaScript.

Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

 

Nota à navegação com tecnologias de apoio: nesta página encontra 2 elementos principais: Menu Principal (tecla de atalho 1); e o conteudo que se encontra logo debaixo do menu principal (tecla de atalho 2).


Realizações

Logotipo AIV


A Assembleia Geral das Nações Unidas, através da sua resolução 52/17 de 20 de Novembro de 1997, proclamou o ano de 2001 como Ano Internacional dos Voluntários, tendo os Estados membros sido convidados a colaborar na celebração do AIV.

Em resposta ao convite mundial, Portugal, como membro da ONU, associou-se a esta iniciativa. Para a consecução destes objectivos constituiu o Governo através da Resolução 54/2000 de 3 de Maio de 2000, a Comissão Nacional para o Ano Internacional dos Voluntários (CNAIV), a qual concebeu e executou o programa de actividades destinado a assinalar o Ano Internacional dos Voluntários, segundo os objectivos gerais definidos nessa Resolução.

Considerando que a maior parte dos membros dessa Comissão eram também membros do CNPV, as actividades prosseguidas desenvolveram-se numa lógica de estreita articulação, dando destaque às comemorações do Ano Internacional numa lógica de promoção do Voluntariado.

Seguem-se os principais objectivos e resultados alcançados do Ano:

1. Objectivo:

Contribuir para a elaboração de um plano nacional de promoção e divulgação do trabalho voluntário

Resultados:

Foi publicado no Relatório de Actividades da CNAIV um contributo para a Elaboração de Plano Nacional de Promoção e Divulgação do Voluntariado. Este contributo resultou da auscultação e levantamento diagnóstico permitido no desenrolar das actividades desenvolvidas ao longo daquele ano e posterior reflexão. O Plano “tem como objectivo geral a promoção do voluntariado, em todas as localidades e nos diferentes domínios, e o seu contributo para a prevenção e solução efectivas, e em profundidade, dos problemas de que se ocupa.” As linhas de acção estratégica apresentadas incidem na motivação, através da visibilidade e renovação, e nas actividades de expansão, no sentido territorial e sectorial, e aprofundamento nomeadamente da identidade do voluntariado. O Plano apresenta como actividades básicas: a qualificação; a organização e representatividade; a dinamização local; o encontro entre oferta e procura de voluntários; os princípios de relacionamento com o Estado. São ainda definidas as prioridades para sequência destas linhas de acção.

2. Objectivo:

Propor medidas que permitam o aprofundamento do conhecimento sobre os voluntários portugueses

Resultados:

Face à necessidade de sistematização de dados ao nível nacional de caracterização específica dos voluntários e do voluntariado, a CNAIV definiu áreas de investigação e promoveu o desenvolvimento de um conjunto de estudos que permitissem reunir a informação indispensável à formulação de estratégias indutoras da promoção do voluntariado em Portugal.

Foram realizados e publicados os seguintes estudos e ensaios:

Estudo de Caracterização do Voluntariado em Portugal - Este é o principal estudo desenvolvido no âmbito do Programa de Actividades da CNAIV e cuja realização esteve a cargo do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. A caracterização do voluntariado, ao nível nacional, assumiu-se como o estudo global de apuramento da caracterização da acção do voluntariado e dos domínios em que este é exercido, de caracterização dos voluntários, das relações entre estes e as organizações enquadradoras, bem como do levantamento de outros dados.

Estudo de Opinião sobre Voluntariado - A imagem e a opinião pública sobre o voluntariado foi registada numa sondagem de opinião realizada por amostragem pelo Centro de Sondagens e Opinião da Universidade Católica e com patrocínio da CNAIV.

Caracterização de grupos de voluntários idosos - Pela sua particular expressividade no caso português, entendeu-se ser pertinente uma caracterização mais pormenorizada sobre o voluntariado exercido pelos voluntários idosos, procurando-se traçar o seu perfil e áreas de acção predominantes, com um enfoque especial nas condições que podem motivar estas pessoas a serem voluntárias.

Esta caracterização foi desenvolvida pelo Professor Marinho Antunes, sob a forma de ensaio e utilizando como metodologia a pesquisa bibliográfica, incidindo sobre os factores que propiciam a adesão ao voluntariado.
Caracterização de grupos de voluntários jovens - Também o voluntariado jovem mereceu particular interesse neste ano. A caracterização do grupo de voluntários jovens, suas áreas de voluntariado e motivações foi realizada, sob direcção da Dra. Engrácia Cardim, pelo Instituto Português da Juventude, com base nos registos dos utilizadores do site «voluntariado jovem» da iniciativa do Ministério do Desporto e da Juventude.
Identificação de escolas com boas práticas e sua caracterização - Assumiu-se importante compreender a prática das escolas no voluntariado. Sob coordenação da Direcção Regional de Educação de Lisboa, as Direcções Regionais de Educação do país fizeram um levantamento das boas práticas desenvolvidas pelas escolas no âmbito do voluntariado.
Caracterização do envolvimento em actividades/iniciativas de voluntariado das empresas e seus trabalhadores e Estudo sobre valorização de competências desenvolvidas em actividades de voluntariado na apreciação curricular para recrutamento profissional - Publicado com o título “O Voluntariado e as Empresas” foi desenvolvida, pela Fundação Manuel Leão, uma análise quanto ao envolvimento das empresas no voluntariado.


Análise do contributo da Educação para a motivação e formação dos jovens para o voluntariado - O Voluntariado no Currículo do Ensino Secundário, edição da CNAIV, é um trabalho realizado pela Dra. Maria Amélia Mendonça, procurando analisar o contributo da Educação para a motivação e formação dos jovens para o voluntariado, no âmbito do Programa da CNAIV.

Foram, ainda, desenvolvidos outros estudos desencadeados no âmbito do Ano Internacional dos Voluntários: O Voluntariado no Desporto e a Economia Social desenvolvido pela Confederação do Desporto de Portugal e o estudo O Voluntariado nos Projectos de Luta Contra a Pobreza, promovido pela Fundação Aga Khan sob orientação do Professor Roque Amaro.
Também no decorrer do AIV foi publicado pela Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social um Boletim Bibliográfico Temático relativo ao Voluntariado.
Identificação de pontos críticos/zonas de conflito no Voluntariado em Portugal - O plano de estudos AIV incluiu também uma sistematização dos pontos críticos do voluntariado, realizada pela Dra. Maria de Lurdes Piló, a qual aborda a relação entre o voluntário e o profissional, o enquadramento dos voluntários nas organizações e os aspectos facilitadores da acção do voluntário, incluindo uma reflexão sobre as motivações para o voluntariado. Esta sistematização elenca, ainda, algumas orientações estratégicas dirigidas a voluntários e a organizações.
Foi também publicado um Manual de Organizações de Voluntários – Guia de Recursos em Medicina Geral e Familiar com contactos e referências de organizações nessas áreas.

3. Objectivo:
Identificar os meios e as formas adequadas para que um número cada vez maior de pessoas se interesse pela realização do trabalho voluntário

Resultados:

Do programa da CNAIV ressaltou, fundamentalmente, o reconhecimento e a promoção do voluntariado, nomeadamente a divulgação do AIV por todo o país, a sensibilização da população em geral e o reconhecimento da acção dos voluntários, evidenciando os exemplos da boas práticas. A motivação para o voluntariado centrou-se na divulgação, nomeadamente através de campanha de promoção junto dos media de âmbito nacional e regional, divulgação de hino do AIV, edição de boletim informativo trimestral, etc.
A CNAIV organizou também neste sentido diversos Encontros temáticos Regionais. Num total de 10, os Encontros Regionais AIV decorreram em Beja, Braga, Vila Real, Setúbal, Ponta Delgada, Leiria, Viseu, Porto, Funchal e Cascais, e articularam-se com a Exposição Itinerante do IDS “Associativismo e Voluntariado” e com os parceiros locais mais representativos e adequados.


O Congresso do Ano Internacional dos Voluntários, realizado no final desse ano, pretendeu promover o encontro entre voluntários, estimulando a reflexão crítica em torno desta temática, avaliando o Ano e as acções que o marcaram, e perspectivando as tendências e linhas de actuação para o futuro. As Conclusões resultantes deste estão publicadas no relatório de Actividades da CNAIV.
Foram assinaladas, através de um espectáculo musical, as comemorações do Dia Internacional dos Voluntários.

4. Objectivo:

Contribuir para a implementação de um sistema de informação com vista a ser criada uma rede de comunicação e intercâmbio de exemplos e “boas práticas” dos voluntários e criar um site que disponibilize ampla informação

Resultados:

Durante 2001 esteve activo um site internet com informações sobre as actividades da CNAIV, eventos realizados e legislação sobre voluntariado.
Esteve também activa uma Linha Verde telefónica gratuita para resposta a solicitações de informações gerais sobre voluntariado e sobre o AIV.
Foi, ainda, realizado pela CNAIV um inquérito de levantamento de organizações de voluntários tendo em vista a sistematização de referências sobre organizações que acolhem voluntários, a divulgação do AIV e a promoção de uma rede de intercâmbio de informações e boas práticas no âmbito do Ano Internacional dos Voluntários.


5. Objectivo: Promover a colaboração com as escolas e com as universidades, tendo em vista o estudo e desenvolvimento de projectos e programas incentivadores do voluntariado jovem

Resultados:

Celebrou-se protocolo de colaboração com universidade no âmbito de investigação sobre voluntariado durante 2001.
Houve apoio a algumas actividades pontuais em escola do país, através de material informativo e/ou deslocação de membro da CNAIV.
Desenvolveu-se alguma articulação com o Programa do AIV promovido pelo Instituto Português da Juventude.